domingo, 31 de julho de 2011

Lei de cotas: Estado precisa atuar na inclusão de deficientes - Jornal Repórter Diário

Lei de cotas: Estado precisa atuar na inclusão de deficientes - Jornal Repórter Diário

Soneto do Amigo

Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas retaliações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica...

Vinicius de Moraes

sábado, 30 de julho de 2011

Vale a Pena Conhecer o Talento de:

Itacyr Bocato Jr, iniciou seus estudos musicais na banda da Escola Municipal Baeta Neves aos sete anos de idade. Estudou na Fundação das Artes de São Caetano, no Instituto de Música do Planalto e Faculdade da Unesp, onde estudou composição e regência.
No final dos anos 70, tocou com Arrigo Barnabé e Itamar Assunção no Festival Universitário da Cultura, onde Arrigo Barnabé foi o vencedor com a música “Diversões Eletrônicas”. Em 1980, tocou e gravou com Elis Regina no show “Saudades do Brasil”. Depois disso, sua carreira como instrumentista se intensificou muito, tocando com Rita Lee, Ney Matogrosso, Roberto Carlos e outros.
Em 1982, fundou a Banda Metalurgia, banda esta que gravou em disco que foi considerado o melhor disco instrumental do ano. Em 1985, lançou seu primeiro LP solo. Atualmente Bocato tem os seguintes discos: Lixo Atômico, Sonho de um Anarquista, em dezembro ou o seu CD, com o título Bem Dito. No ano de 1994, tocou no festival de Montreux, na Suíça, ao Lado de Rafael Lima.
Em 1997 lançou Tributo à Pixinguinha - onde homenageia o grande mestre da MPB. Este disco contêm novas orquestrações dando ao som de Pixinguinha uma sonoridade mais densa com a utilização de instrumentos modernos. Com a sua Banda fez uma tournê de um mês pela Europa mostrando seu novo CD - Pelos 100 anos de Pixinguinha.
Bocato também participa de Gravações e no último ano gravou com Ná Ozetti, Zé Miguel Wisnik, Suzana Sales, Luiz Waack, Paulo Lepetit, Jarbas Mariz, Art Popular e outros.

Discografia
1988 Conserto para um Trombone Quebrado Baratos Afins
1989 Abruxa-te Baratos Afins
1999 Tributo a Pixinguinha Trama





Acreditar, sempre!






Se, a princípio, a ideia não é absurda,

então não há esperança para ela.




sexta-feira, 29 de julho de 2011

Fala-se tanto da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos e, esquece-se da urgência de deixarmos filhos melhores para o nosso planeta.

Autor: desconhecido

quinta-feira, 28 de julho de 2011

ASSEMBLEIA GERAL DOS SERVIDORES NO PAÇO MUNICIPAL (27/07/2011)

Viver


Esperança. Essa palavra significa:
Expectativa otimista da realização daquilo que se almeja.
Em todo começo de ano, a palavra esperança é uma da mais usadas.
Muitas expectativas são criadas, novos projetos são elaborados e, por que não dizer,
velhos projetos são tirados das gavetas e voltam a ser algo de suma importância para muitos.

Vivemos uma onda de otimismo.
O ser otimista sempre é o ser realizador que acredita que tudo é possível.
Possível é algo que pode ser, porém, não há uma certeza que será.
Portanto, fazer o que é possível, nem sempre é fazer tudo.
Ter a esperança de fazer tudo o que for preciso, pode ser apenas um ato de otimismo.

Otimismo é ver as coisas pelo lado mais favorável.
O lado mais favorável sempre é o que mais nos agrada, portanto, ter esperança e ser otimista para tentar alcançar tudo que nos parece possível, pode não passar apenas de uma simples coisa. Viver.

Carlos Benethi

quarta-feira, 27 de julho de 2011

04 - Ferramentas do coração: choro e sorriso



Ao longo da minha vida aprendi que o coração transporta peso
Não se trata do peso que esmaga as coisas físicas
Mas do peso que esmaga as esperanças e os sonhos
Que esmaga o colorido e a música

Deus, na sua sabedoria, proveu duas ferramentas
Para expelir o peso do coração: choro e sorriso

Quando o peso incomoda e traz desconforto para o coração
O choro tem sido a ferramenta mais utilizada

Entretanto, há aqueles que conseguem
Utilizar a ferramenta do sorriso em momentos de consternação
É a ferramenta mais delicada
É difícil sorrir quando o choro
Parece ser a ferramenta mais adequada

Somente o ALTÍSSIMO pode nos capacitar a utilizar
A ferramenta do sorriso para curar as seqüelas
Que um peso marcou num coração

Pr. Ronaldo Cunha
Salmos 30:5 - . . . . . O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.

TERNURA FLAMEJANTE


TERNURA FLAMEJANTE

Esta tortura da espera
me devora e enlouquece,
espero passar as horas
para ver-te sem demora.

Procuro o meu desejo enganar
neste interim de avidez,
mas o meu pensamento vôa
até chegar a próxima vez.

Sinto em minha carne
a ternura do teu corpo,
o doce aroma que exala
do caloroso e ardente desejo.

Meu corpo é chama flamejante
avermelhado, tal qual o por do sol,
ele clama, chama e implora
esta descarga emocional.

Ver-te cresce o desejo
estremeço, mas te encaro,
chegou o grande momento
o dia tão esperado.

AMARILIS PAZINI AIRES

PROMOÇÃO PARA NOVOS AUTORES DIVULGAREM SEUS LIVROS

Você autor que publicou seu Livro e não tem conseguido divulgá-lo e distribuí-lo traga sua obra para nossa editora !


GRUPO EDITORIAL BECO DOS POETAS & ESCRITORES LTDA


Você que publicou seu livro, sem ficha catalográfica e sem ISBN e deseja deixar seu livro dentro da lei do livro venha para nossa editora !!!


Oferta especial para autores que desejam republicar seu livro no beco dos Poetas :


a) Taxa de migração 150,00
b) Remuneração de 20% sobre a capa vendido em nossa loja.
c)Canal de venda editora/autor com desconto nas compras de 10 unidades de 50% sobre o preço de capa
d)Espaço para divulgar em nossos sítios e peças de divulgações.


Informações :
11 50212233
maria@becodospoetas.com.br

terça-feira, 26 de julho de 2011

02 - CORAÇÃO FERIDO

A melhor maneira para curar um coração ferido
Acontece quando DEUS coloca outro coração ferido próximo ao seu

Duas pessoas desgastadas por batalhas de desilusões
São saradas quando o Espírito Santo utiliza
O depósito de lágrimas de uma pessoa ferida
Para curar as feridas de outra pessoa

Pr. Ronaldo Cunha

Gl 6:2 - Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo.
http://images.orkut.com/orkut/photos/PQAAADTyXk1n4GBHuQIMJGbXmQSToDLKiX9YoLWo3arvP1_CC8EYFyMBzLh7Csl7EfwGsKrkO_rMpeYe0bU-DORXFegAm1T1UBSYMLU-o33CVfONaqoQXnaPEb-H.jpg

Vale dos Dinossáuros - Paraíba - Brasil


Diz a tradição local que em 1897 um velho tropeiro viajante chegou em casa com a notícia de que havia encontrado imensos rastros de bois e emas sobre pedras do sertão, no extremo oeste da Paraíba.

Os boatos correram e já se dizia que eram marcas deixadas por um lobisomem ou alguma alma que vagara por aquelas terras distantes. Mas aqueles misteriosos sinais tinham pouco de sobrenatural e eram pistas do plano terreno mesmo: pegadas de dinossauros, cuja veracidade seria confirmada pelo geólogo Luciano Jacques de Moraes, em 1924.

Hoje as 21h na Just tv

Apresentação: Célia Coev
Assista ao vivo e participe: http://www.justtv.com.br/

IV ABC ExporCar 2011

Acontecerá nos dias 29, 30, 31 no Parque Chico Mendes em São Caetano do Sul, Sp.

segunda-feira, 25 de julho de 2011



O Escritor

Uma mistura de emoções e sensações, assim vai o escritor.
Seu olhar se perde num canto qualquer, tudo vê, tudo crê.
Ama com alma de um menino.
As desilusões da vida, quem pode delas fugir?
Dos sonhos um poema,
Das dores um tormento,
Apenas vive o seu momento.

Mora Alves
25/07/2011

25 DE JULHO, DIA DO ESCRITOR - PARABÉNS AOS ESCRITORES(AS) DO BECO DOS POETAS


25 de Julho de 2011- DIA DO ESCRITOR!

Escritor é o artista que se expressa através da arte, da escrita, ou, tradicionalmente falando, da Literatura.
É autor de livros publicados, embora existam escritores sem livros publicados (chamados, por alguns, de amadores).
No Brasil, podem-se citar muitos exemplos de escritores considerados célebres, como Machado de Assis, Guimaraes Rosa, Euclides da Cunha, Clarice Lispector, Luis Fernando Veríssimo, tal como em Portugal, onde surgiram nomes como José Saramago, Lidia Jorge, Eça de Queiroz e Miguel Torga, entre muitos outros que, mesmo não sendo tão reconhecidos mundialmente, deixaram um importante legado no panorama da  Literatura lusófona.
Escritor não é necessariamente o profissional que escreve romances (romancistas), pois o autor de livros de auto-ajuda e de textos jornalísticos pode também ser considerado um escritor.
Hoje, nesse dia especial queremos parabenizar todos os autores do Brasil, mas em ESPECIAL, os Autores do Beco dos Poetas, vocês que escrevem com o coração e com a alma e têm a ousadia de mostrar seus escritos na página de nosso Site Literário http://www.becodospoetas.com.br/     
 nos encantando nosso dia a dia com suas poesias, mostrando a alegria de ser um poeta(a) escrevendo poesias de alegria, saudade, amor e tudo com o mais puro sentimento, é para vocês que aplaudimos em pé pelo seu talento e carisma que nos abrilhantam nosso mundo deixando-o mais alegre.
É um grande orgulho termos em nossas páginas suas poesias, seus contos  e você como autor e autora.
Obrigado por fazer parte de nossa família literária.
Parabéns a todos vocês, Poetas e Poetisas do nosso Beco dos Poetas.

Lançamentos

Lançamento das antologias "Steampink" e "Deus ex machina"
em Curitiba, PR, na livraria Arte & Letra,
dia 20 de agosto de 2011 (horário a confirmar).

Lançamento do livro "Time OUT - Os viajantes do tempo"
dia 27 de agosto de 2011 no Pier 1327,
Vila Mariana, São Paulo (horário a confirmar).

Lançamento do livro "Quando o Saci encontra os mestres do terror",
dia 29 de outubro de 2011 em evento conjunto com a Editora Petra Lumen
(local e hora a confirmar).

Fonte: www.editoraestronho.com.br

domingo, 24 de julho de 2011

Encontro de Fuscas e carros antigos

Acontece hoje, em Monte Sião (MG), o IV Encontro de Fuscas e Carros Antigos. A expectativa dos organizadores é de que aproximadamente 250 veículos participem do evento que faz parte da propragamação do Tricofest - Festival de Inverno de Monte Sião.


sábado, 23 de julho de 2011

Concurso de Fotografia Árvores da Cidade de São Paulo

O concurso de fotografia Árvores da Cidade de São Paulo chega em sua sexta edição com muito fôlego. Redescobrir a cidade através das lentes de uma câmera fotográfica tem se tornado uma atividade atraente para muitos paulistanos. A cada ano aumenta o número de inscritos e as imagens captadas revelam uma São Paulo arborizada em meio a prédios e avenidas movimentadas.
Este ano as inscrições serão exclusivamente online. Para participar os interessados devem acessar o site do concurso no período de 20 de junho de 31 de agosto de 2011, preencher o cadastro e aguardar o recebimento de e-mail com link para envio das fotos, e então completar sua inscrição enviando no máximo 3 fotos.
Serão escolhidas 20 fotos para compor a exposição “Árvores da Cidade de São Paulo 2011”, dentre as quais estarão as cinco vencedoras. Os autores das melhores fotos receberão como prêmio cursos livres no Senac, câmeras fotográficas, livros de fotografia entre outros.


Mude seu ponto de atração - Seja Feliz Agora!

sexta-feira, 22 de julho de 2011

PAIXÃO REPRIMIDA


PAIXÃO REPRIMIDA


Tenho as mãos atadas

uma paixão reprimida

quero voar além de mim,

além da paíxão, além da vida.

Sentir a tua essência

explodir meu sufoco,

gritar de amor

fazer amor,e amar até cansar.

Quero entrar em teu interior

e descobrir um mundo escondido,

quero apenas sentir-te

para poder sentir-me,

quero conhecer o desconhecido,

abrir a porta no escuro

e enxergar o conhecido,

quero sentir-me...

em cada instante de explosão

e poder dizer:

-que tudo valeu à pena.


AMARILIS PAZINI AIRES

Lançamento - Dia 30 de Julho - Para Gostar de Ler - Lita Moniz


Horário: 16h a 19h
Local: LIVRARIA NOBEL BOQUEIRÃO
Rua: AV. PRES. COSTA E SILVA. 532 - BOQUEIRÃO
Cidade: PRAIA GRANDE -SP
Site ou Mapa: http://maps.google.com.br/map…
Telefone: 13-(3473-1760)
Tipo de evento: sarau, lançamento
Organizado por: Diretoria da Casa do Poeta

Sonho de um Homem Ridículo.

Calcado na mesma montagem, a peça traz novas emoções a Celso Frateschi. O ator nutre um grande carinho pelo texto, por isso experimenta “sensação amorosa” com a reestreia. Acostumado a interpretar personagens densos - Ricardo 3 (William Shakespeare), Tio Vânia (Anton Tchecov) e O Grande Inquisidor (Fiodor Dostoievski) -, ele retoma o espetáculo seis anos depois, no Teatro Ágora


Baseado no conto homônimo do escritor russo Fiódor Dostoiévski, publicado pela primeira vez em 1877 no livro Diário de um Escritor, o imperdível monólogo Sonho de Um Homem Ridículo ­- que estreou em 2005 abrindo teatro na cidade, o Instituto Capobianco - volta aos palcos seis anos depois com o ator Celso Frateschi comemorando 41 anos de carreira. O espetáculo será encenado a partir de 29 de maio no Teatro Ágora, com sessões apenas aos domingos, às 19 horas. Com dramaturgia do próprio Frateschi, a peça tem direção de Roberto Lage e cenários e figurinos de Sylvia Moreira.


Sobre a Peça
Sonho de um Homem Ridículo conta a história de um personagem solitário de São Petersburgo em pleno século XIX. Na época, a cidade era o centro de toda a Rússia, e como em toda grande cidade, os homens são introspectivos e mais voltados para si mesmos. “É um personagem fantástico, pois com a introspecção a alma aflora de maneira exuberante”, define Frateschi.
O personagem, um funcionário público, sabe que é ridículo desde a infância. Motivo de desprezo e zombaria de seus semelhantes, já não tem mais nenhum interesse na continuação da sua existência. Num dia inútil como todos os outros, em que mais uma vez esperava ter encontrado o momento de meter uma bala na cabeça, foi abordado por uma menina que clamava por ajuda. Ele não só recusa o apoio à criança, como a espanta aos berros.
Ao voltar para casa, não consegue dar fim a sua existência. Adormece e sonha com a sua própria morte, com seu enterro e com uma vida após a morte. Viaja pelo espaço e por desconhecidas esferas. Experimenta a terra não manchada pelo pecado original e conhece os homens na plenitude da sabedoria e equilíbrio. Ele acredita que aquilo tudo foi real, pois as coisas terríveis que sucederam não poderiam ter sido engendradas num sonho.


Texto: Fiódor Dostoiévski.

Dramaturgia e interpretação: Celso Frateschi

Direção: Roberto Lage


Local: Ágora Teatro – Sala Gianni Ratto

Rua Rui Barbosa, 672 – Bela Vista.

Telefone - 3284-0290

Horários: domingos às 19h

Ingressos: R$ 30,00 (meia-entrada para estudantes e pessoas com mais de 65 anos).

Duração: 75 minutos.

Classificação: 12 anos.

Gênero – Drama.

Temporada: 29 de maio a 7 de agosto de 2011


Estacionamento conveniado a R$ 5,00 (Rua Rui Barbosa, 714 – Car Park)

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Réplica de carro dos filmes "De Volta para o Futuro" criada por Joe Walser

CIDADE DA CRIANÇA

A Cidade da Criança de São Bernardo do Campo volta a brilhar. Totalmente reestruturada e revitalizada foi reaberta ao público no mês de novembro/2010.

Agora o Primeiro Parque Temático do Brasil, além do contato com a Natureza, oferece diversas opções de entretenimento para toda a família. Brinquedos tradicionais estão de volta: Xícara Maluca, Casa Maluca, Twister, Teleférico, Carroussel, entre outros.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

BONS AMIGOS



Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!
Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!
Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora pra consolar!
Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
Porque amigo é a direção.
Amigo é a base quando falta o chão!
Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!
Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!

Machado de Assis

terça-feira, 19 de julho de 2011

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Inscrições abertas para a Antologia de Poesias, Contos e Crônica Nossa História, Nossos Autores - Edição Comemorativa de Aniversário de 30 Anos da Scortecci.

Lançamento em Agosto de 2012 no estande da Scortecci durante a 22ª Bienal Intenacional do Livro de São Paulo. Participe!

Mais informações e Ficha de Inscrição:
http://www.scortecci.com.br

domingo, 17 de julho de 2011

MAMA ÁFRICA - CHICO CÉSAR

Mama África
A minha mãe
É mãe solteira
E tem que
Fazer mamadeira
Todo dia
Além de trabalhar
Como empacotadeira
Nas Casas Bahia...

Mama África, tem
Tanto o que fazer
Além de cuidar neném
Além de fazer denguim
Filhinho tem que entender
Mama África vai e vem
Mas não se afasta de você...

Mama África
A minha mãe
É mãe solteira
E tem que
Fazer mamadeira
Todo dia
Além de trabalhar
Como empacotadeira
Nas Casas Bahia...

Quando Mama sai de casa
Seus filhos de olodunzam
Rola o maior jazz
Mama tem calo nos pés
Mama precisa de paz...
Mama não quer brincar mais
Filhinho dá um tempo
É tanto contratempo
No ritmo de vida de mama...

Mama África
A minha mãe
É mãe solteira
E tem queFazer mamadeira
Todo dia Além de trabalhar
Como empacotadeira
Nas Casas Bahia...
É do Senegal Ser negão, Senegal...
Deve ser legal Ser negão, Senegal..

Mama África
A minha mãe
É mãe solteira
E tem que
Fazer mamadeira
Todo o dia
Além de trabalhar
Como empacotadeira
Nas Casas Bahia

Mama África
A minha mãe
Mama África
A minha mãe
Mama África...

sábado, 16 de julho de 2011

A verdadeira medida de um homem não se vê na forma como se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas em como se mantém em tempos de controvérsia e desafio.

Pastor Martin Luther King Jr.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Revanche

Composição: Lobão e Bernardo Vilhena


Eu sei que já faz muito tempo que a gente volta aos princípios

Tentando acertar o passo usando mil artifícios

Mas sempre alguém tenta um salto, e a gente é que paga por isso, oh!

Fugimos prás grandes cidades, bichos do mato em busca do mito

De uma nova sociedade, escravos de um novo rito

Mas se tudo deu errado, quem é que vai pagar por isso?

Quem é que vai pagar por isso? Quem é que vai pagar por isso?

Quem é que vai pagar por isso?
Eu não quero mais nenhuma chance, eu não quero mais revanche

Eu não quero mais nenhuma chance, eu não quero mais ...


A favela é a nova senzala, correntes da velha tribo

E a sala é a nova cela, prisioneiros nas grades do vídeo

E se o sol ainda nasce quadrado, e a gente ainda paga por isso

E a gente ainda paga por isso, e a gente ainda paga por isso

E a gente ainda paga por isso
Eu não quero mais nenhuma chance, eu não quero mais revanche

Eu não quero mais nenhuma chance, eu não quero mais ...


O café, um cigarro, um trago, tudo isso não é vício

São companheiros da solidão, mas isso só foi no início

Hoje em dia somos todos escravos, e quem é que vai pagar por isso

Quem é que vai pagar por isso? Quem é que vai pagar por isso?

Quem é que vai pagar por isso?
Eu não quero mais nenhuma chance, eu não quero mais revanche

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Museu Rock & Roll - Raul seixas.

Foi no ano de 1945 a 28 de junho, em uma tradicional família de Salvador que nascer Raul Santos Seixas, filho de Dona Maria Eugênia e do engenheiro Raul Varella Seixas, Raulzito foi educado conforme o conservadorismo das famílias de classe média da Bahia.
Desde os sete anos Raul já se questionava sobre coisas como o fim do mundo, a volta de seu espírito em outros corpos, o julgamento final. Seu pai gostava de ler para ele livros sobre assuntos metafísicos. O que mais lhe marcou foi o livro Dos Por Quês. Mas, na adolescência de Raul Seixas - 1958 - Rock 'n Roll era música para empregadas domésticas e caminhoneiros.
Os garotos de sua idade e condição social ouviam Bossa Nova no Teatro Vila Velha, mas Raulzito preferia ficar entre os caminhoneiros e domésticas. Em pouco tempo já sabia cantar em inglês as canções de Elvis Presley, Little Richard, Jerry Lee Lewis. Os Panteras, em uma de suas formações, era composto por Raulzito no vocal, Mariano, Pirinho, Helinho e Antonio Carlos - o Carleba. Todos eles faziam o gênero James Dean, topete no cabelo e a gola da camisa levantada. O tipo de comportamento e as músicas dos Panteras não agradavam as mamães de família que os classificavam como "esquizofrênicos".
Em 1967 Raul se casa com Edith Wisner, filha de um pastor protestante. Neste mesmo ano, Raul, a esposa e Os Panteras foram para o Rio de Janeiro. Salvador havia ficado pequeno para o sucesso do grupo. Desde 1964 Raulzito e Os Panteras começaram a cantar músicas dos Beatles. Passaram a dar shows nos clubes "chiques"da Bahia. Agora tinham adotado um estilo menos agressivo. Usavam os famosos "terninhos" dos Beatles, e as músicas, embora continuassem sendo rock, não eram usadas de forma violenta.
Com os Beatles Raul percebeu que poderia usar a música para dizer o que ele pensava - era isso que faziam os Beatles. Raul começa a compor, para dizer em suas músicas, o que ele pensava. O grupo chegou no Rio no pique da Jovem guarda e encontrou o alvorecer do Tropicalismo. Raulzito não gostava de Bossa Nova: "tinha ódio de Bossa Nova, eu não me ligava na cultura musical brasileira" - dizia Raul numa entrevista à Ana Maria Baiana.
Uma das primeiras composições de Raul já teve problemas com a censura - O Crivo - cigarro na gíria, e a censura pensou que fosse maconha. Raul nem sabia o que era maconha, naquela época a garotada era "biritera". Raul teve dificuldades para "fazer rock" Rio de Janeiro. O que estava no auge era o Tropicalismo. Ninguém ouvia Chuck Berry, Mick Jagger, etc. Mesmo assim, Os Panteras conseguiram gravar um LP: Raulzito e Os Panteras, que não foi sucesso, pois além da má divulgação, as músicas não agradaram o público.
Raul Seixas Conheceu Paulo Coelho em 1972 quando ainda era produtor da CBS. Paulo, recém chegado de muitas viagens feitas enquanto fazia parte do movimento hippie, fundou no Rio de Janeiro uma revista chamada 2001 com matérias sobre nova física, alimentação, discos voadores, etc.
Raul se interessou pelos assuntos da revista e resolveu procurar Paulo. Os dois se encontraram, jantaram juntos e ficaram amigos. A idéia de Ter Paulo Coelho como parceiro agradou muito Raul, pois nesta época Paulo estava envolvido com estudos sobre a magia de Aleister Crowley. Os ideais do mago inglês despertaram o interesse de Raul que decidiu, com a ajuda de Paulo Coelho, colocar as informações nas músicas.
E assim, os dois compositores passaram a divulgar as idéias de Crowley. A música Sociedade Alternativa foi a primeira manifestação da influência de Crowley, que iria acompanhar Raul Seixas até o final de seu trabalho. Depois que cumpriu seu trabalho, Raul Seixas nos deixou, mas até hoje em algum lugar existe alguém que ainda o escuta, seguibdo seu caminho, mas de um modo diferente, assim como você que está lendo esta mensagem.
Agora em pleno ano 2002, a Universal Music brinda os fãs de Raul Seixas com o lançamento de uma super caixa chamada "Maluco Beleza", com seis CDs da carreira do guru da Sociedade Alternativa, Raul Seixas. As faixas bônus, não encontradas nos CDs originais, dão um charme especial. Você poderá ouvir, por exemplo, ´Caroço de Manga´, canção que fez parte da trilha da novela Beto Rockfeller, além, é claro, dos grandes sucessos que construíram a carreira deste símbolo do rock nacional!

"Viva a Sociedade Alternativa"
Visite a Página Oficial de Raul Seixas
Envie seus comentários para

VEJA OUTROS ASTROS NO MUSEU RO ROCK



terça-feira, 12 de julho de 2011

Festival Internacional de Teatro.

TEATRO PARA CRIANÇAS
A cidade de São José do Rio Preto (SP) tem um monte de atrações de teatro para as crianças até o dia 16 de julho, como parte da programação do Festival Internacional de Teatro.
Se você mora na cidade, mora perto ou vai estar na cidade durante o festival, aproveite para marcar na agenda 5 sugestões de peças de teatro para curtir com os amigos ou com a família.
HORA DA DICA: A entrada para todas as atrações infantis é gratuita, mas procure chegar 30 minutos antes do início da atração para retirar seu convite na bilheteria. Se chegar tarde, pode ser que acabe.

segunda-feira, 11 de julho de 2011


Expositor da paleontologia na Patagônia, o Museu Egidio Feruglio (EFM) está localizado no centro de Trelew e trabalha em um edifício moderno, inaugurado em 1999 que abriga uma série de descobertas de grande importância valor científico.
Javier García Díaz from the EFM was expecting me to comment on the history and the projects of this institution which emerged and is maintained as a result of the initiative of the Feruglio Foundation and the Municipality of Trelew. Javier García Díaz da EFM estava esperando me a comentar sobre a história e os projetos da instituição que emergiu e é mantido como resultado da iniciativa da Fundação Feruglio eo Município de Trelew.

Soneto da Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.



Vinícius de Moraes

domingo, 10 de julho de 2011

Ilha de Páscoa. A terra dos "Moáis"

São apenas 18 km² de terras áridas, originárias das erupções de quatro vulcões, hoje inativos. Pertencente ao Chile, ela é a porção de terra habitada mais isolada do restante da humanidade, em todo o Planeta.

Qualquer terra mais próxima, está a uma distância de 3000 a 3200km, por isso os pascoanos chamam-na de "umbigo do mundo"; é de imensa solidão, cercada pelas águas perigosas do sul do Oceano Pacífico.

Este pequeno pedaço de terra da Oceania foi descoberto, por acaso, pelo almirante holandês Jacob Roggeven, justamente num domingo de Páscoa de 1772; mais tarde, foi rebatizada pelos espanhóis, com o nome do santo protetor de seu imperador, passando a constar nos seus mapas náuticos como Ilha de São Carlos. Atualmente, é designada pelos pasquenses de Rapa-Nui.A ilha de Páscoa é a terra dos "Moais", gigantescas esculturas, construídas com rochas vulcânicas. Suas dimensões e pesos são variáveis, indo de três a dez metros de altura, com algumas dezenas de toneladas.

Feitas com material relativamente frágil, a lava vulcânica petrificada, deveriam ser deslocadas com muito cuidado e com as mãos, pois não haviam máquinas para esse fim naquela época. Tal façanha à luz da razão é inteiramente impossível, levando-se em consideração a natureza do terreno que é acidentado e pedregoso.São centenas de homens gigantescos espalhados pela pequena superfície da ilha, ao todo, mais de mil. Têm sempre no rosto a mesma expressão e parecem vigiar os horizontes desde todos tempos, com olhar distante e sereno. Colossais, imponentes, insondáveis.

Muito se estudou e se estuda sobre eles e, no entanto, continuam sendo um dos mais inexplicáveis mistérios do planeta Terra.




sábado, 9 de julho de 2011

Primeiro livro de poemas de Leonardo Colosso é lançado pela editora Alpharrabio

Foto: Luciano Vicioni


Moderar o foco. Ajustar o obturador. Compor um momento e eternizá-lo. Trata-se de fotos? Poderia ser, mas pode-se transportar o mesmo discurso para a poesia. As sensibilidades para ambas as artes convergem na obra de Leonardo Colosso.


O fotógrafo acaba de publicar o primeiro livro de poesia, a coletânea “Poesia para consumo doméstico”, que aborda temas comuns a todos nós, como amor, afeto, carinho, solidão e angústia.
O próprio artista as define como obras feitas para a compreensão geral, sem pretensão de estilo e padrão literário. “Evitei o hermetismo, é tudo básico, com o pé no chão, porque é uma produção caseira destinada às donas de casa e aos pais de família”, declarou Colosso, praticante da criação de poemas desde a adolescência.

São 88 páginas de parágrafos enxutos e breves. Similares ao haikai japonês. Uns rimam, outros não. “Sempre foi um hobby para mim, usado para paquerar, mas sempre esteve engavetado”, acrescentou. Colosso enxerga a poesia como forma de externar inquietudes, paixões e crises, pois ao descrever entende melhor pelo que está passando. “Ajuda a clarear porque trata de elementos subjetivos e emotivos, e não é visual como o objeto da foto.”

O fotógrafo já exerceu a profissão em grandes jornais da Capital e periódicos da Região ao longo da carreira. Mesmo dentro do cenário caótico, poluído e confuso do estado de São Paulo, esforça-se para registrar um fragmento de harmonia e equilíbrio que consiga ser pinçado em meio a toda a loucura do dia-a-dia e se destaque do resto pela beleza e lirismo.

Lirismo - O mesmo lirismo da imagem é o objetivo da escrita. “Busco linhas, aspectos e planos ao escrever que isolados também são bonitos”, resumiu. Ou seja, a mesma técnica aplicada em fotografias é usada para dar estética à dor e outras subjetividades da emoção e da alma.
Além de usufruir da escrita como espécie de terapia, o exercício da foto e a procura por sutilezas da rotina o aprimoraram a aguçar o tino para a poesia.


“Sentimentos passam com e como o tempo. Se alteram como o espaço. Me esforço para traduzir isto para o papel, são como fotos de sentimentos”, estipulou ao enquadrar e dar o clic no próprio passatempo.
Futuramente, o morador de Santo André estuda lançar contos.


Conheça mais do trabalho de Colosso como fotógrafo no site:

leonardocolosso.blogspot.com.


sexta-feira, 8 de julho de 2011

SARAU DO BECO 12º EDIÇÃO NO DIA 24\07\2011

SEMPRE AO SEU LADO

Para quem tem cachorro ou alguma afeição por animais de estimação, vale o conselho: leve um lenço para enxugar as lágrimas. Diretor sueco de Minha Vida de Cachorro (1985) e dono de uma carreira em Hollywood com títulos propensos a investigar as relações humanas, como Regras da Vida e Chocolate, Lasse Hallström muda o foco e registra aqui a trajetória de um cãozinho. Da raça akita, Hachi é despachado de um mosteiro japonês para os Estados Unidos, mas se perde numa estação de trem de uma pequena cidade americana. Acolhido pelo professor de música Parker Wilson (Richard Gere), o cachorrinho mostrará seu lado fofo e uma fidelidade canina a toda prova na primeira parte do drama. Uma inesperada reviravolta, contudo, se seguirá. É aí que, econômico na metragem e inspirado nas emoções, o filme, extraído de um caso verídico ocorrido no Japão da década de 20.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Circo de Soleil

De volta ao Brasil o Circo de Soleil 2011 passando por várias cidades do país: São Paulo, Porto Alegre, Olinda, Salvador, Belo Horizonte, Brasília, Pinhais, Fortaleza, com apresentação do espetaculo Quidam.
O espetaculo Quidam é reconhecida internacionalmente por ter uma teatrilidade aliada a números de impactos.
Direção de Franco Dragone e direção criativa de Gilles Ste-Croix, sua montagem utiliza mais de 250 figurinos, 200 pares de sapatos e mais 500 objetos de cena.
Para mais informações como os Ingressos do Circo de Soleil 2011 no Brasil e a datas das apresentações acesse o site oficial: www.cirquedusoleil.com

terça-feira, 5 de julho de 2011

Vithais: A Construção do Pensamento

Vithais: A Construção do Pensamento: "O pensamento é o ensaio da ação.  (Sigmund Freud) Qualquer realização demanda estudos, planejamento, reflexão. Não há possibilidade de êxit..."

Bolívia: Duzentos Anos de Liberdade.

A Chacarera é uma dança e música populares originarias do Sul da Bolívia e noroeste da Argentina dançada já desde o século XIX. A música toca-se geralmente com violão, violino, sanfona e bumbo "legüero". Antes mesmo de existirem a Bolívia e Argentina como repúblicas que hoje conhecemos a Chacarera já era dançada nas fazendas do Chaco (região de mais de 800.000 Km.2) no início do século XVIII durante a conquista da coroa espanhola, na época colonial. Erroneamente atribui-se a origem da Chacarera ao folclore Argentino, e isto deveu-se à maior difusão desta dança nas cortes espanholas localizadas no chamado Virreinato da Plata (Buenos Aires) do qual nasceu Argentina, em contraposição ao chamado Virreinato do Peru (do qual fazia parte a Bolívia) na qual também se praticava a Chacarera por parte dos trabalhadores rurais nas fazendas, porém sem maior estardalhaço e com matizes mais vigorosos e algo diferentes no sapateado, vestimenta e cadência musical. A Chacarera pertence ao grupo de danças picarescas, de ritmo ágil e caráter muito alegre e festivo. No caso da Chacarera boliviana a vestimenta da mulher apresenta flores estampadas e são de cores cálidas, babados, avental e sapatos de salto baixo. Em nenhum caso existem fitas de cor no cabelo, e o penteado é uma trança. O homem usa "poncho" (na época de frio), botas, bombachas, rastras, camisa, lenço e chapéu. Na Bolívia a Chacarera é bastante difundida na província Gran Chaco no departamento de Tarija e mais atualmente tem se difundido bastante nas "entradas" (desfiles) folclóricas em La Paz, Oruro e Cochabamba.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

A arte da dupla: Anay e Viviane

Museu da Imagem e do Som

90 em Folha - Imagens do Brasil Moderno
exposição / cinema / palestra / Oficina

De 18 maio até 14 de agosto de 2011


visitação:

terça a sábado, das 12h às 19h;

domingo e feriado, das 11h às 18h

exposições 1º andar / anexo em área externa ingresso: gratuito

O Museu da Imagem e do Som apresenta a exposição 90 em Folha – Imagens do Brasil Moderno. O público poderá conhecer a história do jornal e os principais fatos retratados pela imprensa desde a criação do grupo editorial, em 1921. Durante o período da exposição, a Folha de S.Paulo promove no MIS sessões de cinema, workshops, palestras e debates que permeiam o universo do jornalismo.A exposição se divide em diversas seções: “Primeiras Páginas” (seleção das principais), “Humor Crítico” (charges), “Jornalismo Gráfico” (evolução dos infográficos, que demonstram o progresso nas técnicas de edição e impressão dos jornais), “Galeria Ilustríssima” (seleção de obras publicadas no caderno Ilustríssima), “Imagens da História” (fotos e manchetes no decorrer dos 90 anos) e “TV Folha” (vídeos produzidos pela TV Folha e documentários que mostram os bastidores da Redação).

O Núcleo Educativo do MIS oferece dois tipos de visitas educativas à exposição. Na espontânea, o público pode dirigir-se à recepção do Museu e verificar a disponibilidade de acompanhamento de um educador. Para grupos (de até 40 pessoas), é necessário agendamento prévio mediante preenchimento de formulário online. Ambas têm duração de aproximadamente 90 minutos e são pensadas de acordo com as especificidades de cada visitante ou grupo.Integrada à exposição, a mostra 90 em Filmes, com curadoria do cineasta André Sturm, também está em cartaz no auditório MIS. Até o final do período expositivo, de quinta a domingo o público contará com diversas sessões de cinema com películas em 35mm. Às quintas, críticos de cinema da Folha de S.Paulo comentam a exibição de filmes com o público.Jornalismo, financiamento para a cultura, direitos autorias e WikiLeaks são alguns dos assuntos debatidos por jornalistas da Folha de S. Paulo às quartas, a partir das 20h, no Auditório MIS. Aos sábados, a partir das 15h, acontecem workshops para diversos públicos. Fotografia, videojornalismo, infografia e ilustração estão entre os temas. Para o público infantil, haverá os workshops “Como fazer jornal” e “Entrevistando”.

domingo, 3 de julho de 2011


O Rio por Olavo Bilac
Poema publicado em
Poesias Infantis

Da mata no seio umbroso,
No verde seio da serra,
Nasce o rio generoso,
Que é a providência da terra.

Nasce humilde, e, pequenino,
Foge ao sol abrasador;
É um fio d’água, tão fino,
Que desliza sem rumor.

Entre as pedras se insinua,
Ganha corpo, abre caminho,
Já canta, já tumultua,
Num alegre burburinho.

Agora o sol, que o prateia,
Todo se entrega, a sorrir;
Avança, as rochas ladeia,
Some-se, torna a surgir.

Recebe outras águas, desce
As encostas de uma em uma,
Engrossa as vagas, e cresce,
Galga os penedos, e espuma.

Agora, indômito e ousado,
Transpõe furnas e grotões,
Vence abismos, despenhado
Em saltos e cachoeirões.

E corre, galopa. cheio
De força; de vaga em vaga,
Chega ao vale, larga o seio,
Cava a terra, o campo alaga...

Expande-se, abre-se, ingente,
Por cem léguas, a cantar,
Até que cai, finalmente,
No seio vasto do mar...

Mas na triunfal majestade
Dessa marcha vitoriosa,
Quanto amor, quanta bondade
Na sua alma generosa!

A cada passo que dava
O nobre rio, feliz
Mais uma árvore criava,
Dando vida a uma raiz.

Quantas dádivas e quantas
Esmolas pelos caminhos!
Matava a sede das plantas
E a sede dos passarinhos...

Fonte de força e fartura,
Foi bem, foi saúde e pão:
Dava às cidades frescura,
Fecundidade ao sertão...

E um nobre exemplo sadio
Nas suas águas se encerra;
Devemos ser como o rio,
Que é providência da terra:

Bendito aquele que é forte,
E desconhece o rancor,
E, em vez de servir a morte,
Ama a Vida, e serve o Amor!

sábado, 2 de julho de 2011

O laço do Destino

O LAÇO DO DESTINO

Rita Gusmão era uma mulher como poucas, de muita fibra e raça, capaz de enfrentar qualquer um que atravessasse seu caminho.
Outra pessoa que não ficava muito atrás desta personalidade forte era sua irmã mais velha, Joana Gusmão, as duas faziam honrar o sobrenome que tinham. Freqüentavam a praça daquela pequena cidade todos os finais de semana. Um lugar onde a rapaziada também fazia questão de freqüentar e quem sabe até encontrar a sua cara metade. E foi num desses encontros que as irmãs Gusmão conheceram Pedro e Estevão, dois rapazes bem apresentados e muito educados, por sinal, muito amigos. Rita logo que conheceu Pedro já se apaixonou e Joana sentiu seu coração bater mais forte por Estevão, as duas começaram a namorar os rapazes no mesmo dia.
Agora a felicidade estava completa, as duas filhas da família Gusmão estavam namorando firme e pretendiam se casar o mais rápido possível. Não demorou muito e os dois casais entraram na igreja no mesmo dia, Pedro e Estevão ficaram no altar esperando as irmãs entrarem acompanhadas do pai, uma de cada lado. Para Família Gusmão foi muita emoção, a mãe das meninas não parava de chorar e o pai também chorava de felicidade, pois agora seu sonho estava se realizando.
E como não podia deixar de ser, as duas engravidaram na mesma época, os cunhados comemoram com muito churrasco e cerveja. Rita e Pedro tiveram uma menina e Joana e Estevão um menino.
Os encontros entre os casais se tornavam cada vez mais freqüentes, se tornaram compadres. As irmãs estavam realizadas, a convivência entre todos era perfeita. A mãe das moças sempre que podia, fazia uma observação:
- Eu nunca vi tanta união igual desses dois, parece até que são irmãos!
E foi numa sexta feira a noite que Pedro não retornou para casa, ligou avisando que o carro havia quebrado num lugar impossível de se encontrar um socorro naquele horário. Disse que só retornaria no outro dia, Rita entendeu e rezou para que nada de mal acontecesse ao marido. Enquanto isso na casa de Joana a mesma situação se sucedia, Estevão também ligou avisando que não iria voltar para casa.
No outro dia bem cedo, Joana e Rita conversavam e descobriram que os dois haviam contado a mesma história, então decidiram que iriam investigar o que de fato estava acontecendo. Marcaram um almoço na casa de Rita, com muito churrasco e muita cerveja e como não podia deixar de ser, um som para alegrar o ambiente, e as duas não desviavam a atenção dos maridos. Foi quando Pedro se ausentou, Rita esperou um pouco antes de ir procurá-lo, depois de alguns minutos quem também se ausentou foi Estevão. Foi então que as duas resolveram verificar o que estava acontecendo de tão misterioso com aqueles dois, ao abrirem a porta do quarto do casal encontraram dois barbados aos beijos e abraços. Naquela hora Rita desmaiou e Joana deu grito, os dois se assustaram, e Pedro ainda tentou se explicar:
- Não é nada do que vocês estão pensando!
Porém Estevão foi mais categórico e disse;
- Á partir de hoje Eu e Pedro estamos assumindo nosso verdadeiro sentimento, não existe mais casamento.
Joana ainda tentou partir para cima do marido, enquanto isso Rita se recuperava do desmaio, e ao ver Pedro tentando apoiá-la, ela ficou indignada e pediu para que ele não a tocasse.
E foi assim que acabou a união de dois casais que pareciam tão felizes.
Estevão e Pedro resolveram morar juntos, as crianças cresceram freqüentando as duas casas, as mulheres se casaram novamente e tiveram mais filhos e a vida seguiu seu rumo, cada um feliz da sua maneira.

Mora Alves
02/2011

Eventos em Julho sobre Elvis Presley

22/07/2011 Elvis in Concert - 34 anos sem o REI!
Ronnie Packer, Banda Extasis Coral & Metais
TEATRO MUNICIPAL DE SANTO ANDRÉ
Sexta, 22 de Julho às 21h
Pça IV Centenário, 02 -
Paço Municipal Centro - Santo André - SP

JULHO 2011 - EVENTOS SOBRE ELVIS NO BRASIL

No dia 07 de julho Mark Rio estará ao vivo na Eighties.
O cover será acompanhado pela "Elvis Tribute Band".
Maiores informações :
19) 9668 3527 - (19) 9719 3800

sexta-feira, 1 de julho de 2011

TEATRO PARA ADOLESCENTES 'EM BUSCA DO CÔMICO'
SESC Santos De 13/07 a 10/08. Quartas e sextas, às 16h.
Jogos teatrais que trabalham o universo da máscara cômica italiana, commedia dell’arte.

oficinas
CONSTRUSONS
SESC Interlagos Dia(s) 03/07 Domingo, às 16h.
Construção de instrumento de percussão com reaproveitamento de materiais, seguida de expressão livre dos ritmos e person... [leia mais]

MANIPULAÇÃO DE BONECOS
SESC Interlagos Dia(s) 10/07 Domingo, às 16h.
Exercícios de manipulação de bonecos de luvas e varas. Cenas curtas com bonecos. Cia Mapinguary.

JOGOS DO NOME
SESC Interlagos Dia(s) 17/07 Domingo, às 16h.
Jogos e brincadeiras sobre a dinâmica do ritmo e a sonoridade do nome. Cia Mapinguary. Contadores: Carlos Godoy e Giséli...